Google
Pesquisa personalizada
Política de Privacidade   Visitantes: 349869

VAMOS MEDITAR SOBRE
A MORTE DO SER HUMANO

Muitas vezes presenciamos a morte de pai, mãe, tios, tias, filhos, filhas, amigos e amigas. Sabemos que muito depressa chegará o nosso dia também, devemos nos preparar bem para esse dia. Hoje está vivo o homem, e amanhã já não existe. Entretanto, logo que se perdeu de vista, também se perderá da memória. Quanta cegueira e dureza do coração humano, que só cuida do presente, sem olhar para o futuro! É óbvio prevenir para que todas nossas obras e pensamentos se voltem para o momento de nossa morte. Se nós tivéssemos boa consciência não temeríamos a morte. É melhor evitar o pecado que fugir da morte. Se não estamos preparados hoje, como o estaremos amanhã? O dia de amanhã é incerto, e não sabemos se nos será concedido!

Que nos aproveita vivermos muito tempo, quando tão pouco nos emendamos? Sabemos que nem sempre a longa vida, nos traz emenda, se não que muitas vezes aumenta a culpa. Oxalá tivéssemos, um dia sequer, vivido bem neste mundo! Há muitas pessoas que contam os anos decorridos desde a sua conversão, freqüentemente, porém, é pouco o fruto da emenda. Se é tanto para temer o morrer, talvez seja ainda mais perigoso o viver muito. Bem-aventurado aquele que medita sempre sobre a hora da morte, e para ela se dispõe cada dia. Se já vimos alguém morrer, devemos refletir porque nós também passaremos pelo mesmo caminho. Pela manhã, quando nos levantamos da cama, devemos pensar que não chegaremos à noite, e à noite não nos prometamos o dia seguinte. Por isso devemos andar sempre preparados e vivermos de tal modo que não nos encontre a morte desprevenidos. Muitas pessoas morrem repentina e inesperadamente: pois na hora que menos se pensa, virá o Filho do Homem (Lc 12, 40). Quando vier aquela hora derradeira, começaremos a julgar mui diferentemente toda a nossa vida passada, e vamos sentir em nossa alma, uma grande aflição por termos sido tão negligentes e remissos.

Quão feliz e prudente é o homem que procura ser em vida como deseja que o encontre a morte. Pois o que dará grande confiança de morte abençoada é o perfeito desprezo do mundo, o desejo ardente do progresso nas virtudes, o amor à disciplina, o rigor na penitência, a prontidão na obediência, a renúncia de si mesmo e a paciência em sofrer, por amor de Nosso Senhor Jesus Cristo, qualquer adversidade.

CATEQUESE INFORMATIVA

JOSÉ ORQUIZA

Voltar