Google
Pesquisa personalizada
Política de Privacidade   Visitantes: 349867

ROSÁRIO
a grande solução para os problemas de nosso tempo!

Os Papas proclamam: O Rosário é o meio
mais suave e eficaz para evitar todos os
males e alcançar todas as graças.

Pio IX: “Assim como São Domingos se valeu do Rosário como de uma espada para destruir a nefanda heresia dos albigenses, assim também hoje os fiéis exercitados no uso desta arma – que é a reza cotidiana do Rosário – facilmente conseguirão destruir os monstruosos erros e impiedades que por todas as partes se levantam” (Encíclica Egregiis de 3 de dezembro de 1.856).

Leão XIII: “Queira Deus – é este um ardente desejo nosso – que esta prática de piedade retome em toda parte o seu antigo lugar de honra! Nas cidades e nas aldeias, nas famílias e nos locais de trabalho, entre as elites e os humildes, seja o Rosário amado e venerado como insigne distintivo da profissão cristã e o auxílio mais eficaz para nos propiciar a divina clemência” (Encíclica Jucunda Semper de 8 de setembro de 1.894).

São Pio X: O Rosário é a mais bela e a mais preciosa de todas as orações à Medianeira de toas as graças: é a prece que mais toca o coração da Mãe de Deus. Rezai-o todos os dias”.

Bento XV: “A Igreja, sobretudo por meio do Rosário, sempre encontrou nEla (em Maria), a Mãe da graça e a Mãe da misericórdia, precisamente conforme tem o costume de saudá-La. Por isso, os Romanos Pontífices jamais deixaram passar ocasião alguma, até o presente, de exaltar com os maiores louvores o Rosário Mariano, e de enriquecê-lo com indulgências apostólicas”. (Encíclica Fausto Appetente de 29 de junho de 1.921).

Pio XI: “O Rosário é “uma arma poderosíssima para pôr em fuga os demônios... Ademais, o Rosário de Maria é de grande valor não só para derrotar os que odeiam a Deus e os inimigos da Religião, como também estimula, alimenta e atrai para nossas almas as virtudes evangélicas” (Encíclica Ingravescentibus Malis de 29 de setembro de 1.937).

Pio XII: “Será vão o esforço de remediar a situação decadente da sociedade civil, se a família, princípio e base de toda sociedade humana, não se ajustar diligentemente à lei do Evangelho. E Nós afirmamos que, para desempenho cabal deste árduo dever é, sobretudo conveniente o costume do Rosário em família.

... De novo pois, e categoricamente, não hesitamos em afirmar de público que depositamos grande esperança no Rosário de Nossa Senhora como remédio dos males do nosso tempo”(Encíclica Ingruentium Malorum de 15 de setembro de 1.951).

João XXIII: “Como exercício de devoção cristã, entre os fiéis de rito latino, ... o Rosário ocupa o primeiro lugar depois da Santa Missa e do Breviário, para os eclesiásticos, e da participação nos Sacramentos, para os leigos”(Carta apostólica II religioso convegno de 29 de setembro de 1.961).

Paulo VI: “Não deixeis de inculcar com toda diligência e insistência o Rosário marial, forma de oração tão grata à Virgem Mãe de Deus e tão freqüentemente recomendada pelos Romanos Pontífices, pela qual se proporciona aos fiéis o mais excelente meio de cumprir de modo suave e eficaz o preceito do Divino Mestre: “Pedi e recebereis, buscai e achareis, batei e abrir-se-vos-á (Mt 7,7)” (Encíclica Mense maio de 29 de abril de 1.965).

João Paulo II: “O Rosário, lentamente recitado e meditado – em família, em comunidade, pessoalmente _ vos fará penetrar pouco a pouco nos sentimentos de Jesus e de sua Mãe, evocando todos os acontecimentos que são a chave de nossa salvação” (Alocução de 6 de maio de 1.980).

CATEQUESE INFORMATIVA

JOSÉ ORQUIZA

Voltar