Google
Pesquisa personalizada
Política de Privacidade   Visitantes: 344905

Ressurreição de um defunto

Século VI – Sariat (França)

 

São Sacerdote, abade do Mosteiro de Sariat, no Perigord, estava em oração com seus religiosos quando chegou um mensageiro e lhe anunciou a morte de seu pai.

O piedoso abade foi sem perda de tempo ao encontro de sua mãe, para aliviar a tristeza que embargava o coração dela; mas, quando se empenhava em consolá-la, ela lhe disse com grande sentimento.

- Meu filho, teu pai não pôde receber o penhor da vida eterna, que o sagrado Corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Ao ouvir essas palavras, foi grande o desconsolo do Santo, e inspirado por Deus ajoelhou-se junto ao corpo inanimado de seu pai, perseverando longo tempo em oração. Levantou-se depois, animado por uma fé viva, tomou a mão fria do defunto e o chamou duas vezes pelo seu nome.

À voz do contristado filho, o pai se levantou como se despertasse de um profundo sono, e dirigindo lentamente o olhar em volta até fixá-lo no filho, disse:

- Hoje mesmo minha alma foi separada do corpo sem estar fortificada com o recebimento do Pão da Vida; mas graças aos rogos e aos méritos de meu filho, Deus permitiu que eu ressuscitasse para receber essa graça.

Ao espanto que naturalmente ocasionou um tão grande milagre, sucederam-se nos presentes todas as emoções do mais extraordinário contentamento e alegria.

São Sacerdote se apresou em ministrar ao pai a santa Eucaristia, e no momento em que A recebeu, o rosto do venerável ancião se reanimou e manifestou estar seu espírito inundado de gozo e felicidade celestiais. O filho ajoelhou-separa receber do pai a última bênção. O pai estendeu a mão para o filho amado, manifestou-lhe seu reconhecimento por meio de algumas palavras cheias de ternura e amor, e entregou logo placidamente a alma a Deus.

Bolandistas, 5 de maio

 

Catequese informativa - José Orquiza, acreditando cada vez mais, na EUCARISTIA – O PÃO DA VIDA,

O PENHOR DA VIDA ETERNA!

Voltar