Google
Pesquisa personalizada
Política de Privacidade   Visitantes: 380223

Aprendemos também sobre a Eucaristia

 

        A Eucaristia quer dizer Ação de Graças, é Sacramento e Sacrifício da nova lei, instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo, no qual, está Ele presente sob as espécies do pão e do vinho, é oferecido e recebido. Enquanto sacrifício a Eucaristia é chamada Missa, enquanto sacramento é chamada Sagrada Comunhão, ou Santíssimo Sacramento.

        A Eucaristia é verdadeiro sacrifício no qual nós os cristãos pelas mãos de nossos sacerdotes, oferecemos a Deus Pai o dom mais precioso possível, seu Filho Unigênito e Deus é tão honrado com esta oferenda, que reparte conosco este mesmo dom, dando-nos seu filho na Sagrada Comunhão como alimento de nossas almas. A comunhão Eucarística é o penhor de nossa ressurreição, porque foi o próprio Cristo quem falou: "Eu sou o pão vivo que desci do céu, se alguém comer deste pão, viverá eternamente: e o pão, que Eu darei, é a minha carne, para ser vida do mundo". (Jo 6, 51-52) A Eucaristia, quer como sacrifício quer como sacramento, deve ser o centro de toda a vida e de todo o culto cristão, porque leva o homem a Deus e traz Deus ao homem.

        Na celebração Eucarística, nós temos o milagre da transubstanciação que se opera quando o sacerdote pronuncia as palavras da Consagração na Missa. Toda a substância de pão e vinho ali presente, se muda no verdadeiro Corpo e Sangue de Cristo, só restando as aparências de pão e vinho. Como a substância é que muda, deve-se chamar essa mudança de transubstanciação e não transformação, que é o nome dado às outras mudanças comuns na natureza onde só a forma é que muda. A presença real de Cristo na Santíssima Eucaristia conclui-se com toda evidência do óbvio significado de várias e claríssimas passagens do Novo Testamento: Mt 26, 26-29 – que fala da instituição da Eucaristia. Enquanto comiam, Jesus tomou um pão e tendo pronunciado a bênção, o partiu, distribuiu aos discípulos, e disse: "Tomem e comam, isto é o meu corpo".

        Em seguida tomou o cálice em suas mãos e deu a eles dizendo: "Bebam dele todos, pois isto é o meu sangue, o sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos, para a remissão dos pecados. Eu lhes digo: de hoje em diante não beberei desse fruto da videira, até o dia em que, com vocês, beberei o vinho novo no reino do meu Pai." Podemos confirmar também no Evangelho de Marcos 14, 22-24; Lucas 22,19; João 6,51; Coríntios 10,16; 11, 24-29. A Igreja Católica sempre acreditou na transubstanciação e chegou mesmo a defini-la solenemente como artigo de fé, no Concílio de Trento (1.545 – 1.563) quando os protestantes a negaram, nesse mesmo século.

        Por esse motivo Jesus Cristo é o sumo sacerdote (Hebreus 5, 1-10), único e eterno sacerdote, consagrado pela encarnação do Verbo. Exerceu seu sacerdócio na instituição da Eucaristia (Mt 26,26-29; (Lc 22,15-10); I Cor 11, 23-25); Hebr 9,22) e na sua morte sacrifical sobre a cruz (Hebr 7,27; 9,12-14.25 s). Por suas palavras "Fazei isto em memória de mim" (Lc 22, 19; I Cor 11, 24s) conferiu o sacerdócio aos apóstolos, habilitando-os a oferecer o sacrifício da Missa, porquanto, cada sacerdote é ordenado para oferecer dons e sacrifícios pelos pecados (hebr 5,1).

        Os apóstolos, por sua vez, ordenaram outros sacerdotes, para cumprirem a ordem de Cristo: "Fazei isto em memória de mim" e para perpetuar a aplicação dos méritos da Paixão e Morte de Cristo a todos os homens (At 14,22; Ti 1,5). O sacerdote é por conseguinte, um ministro de Cristo (I Cor 4,1), representando-O junto do povo e representando o mesmo povo diante de Deus. Os fiéis participam do sacerdócio de Cristo num sentido lato, mas não no sentido estrito da jerarquia sacerdotal. Nós somos um povo sacerdotal (I Pdr 2,5; Apc 1,6). O Sacerdote quando celebra os mistérios divinos, tem em mente o homem na plenitude de sua verdade: o homem criado por Deus à sua imagem e semelhança; o homem a quem Deus confiou a terra para que a domine; o homem distinguido com uma multiforme riqueza de natureza e de graça; o homem livre da escravidão do pecado e elevado à dignidade de filho adotivo de Deus.


Próxima página >>>

Esclarecimento sobre a palavra Mistério

Sumário